Fornecendo ferramentas para um mundo livre de herbicidas
Eletrônica de potência avançada para o controle de ervas daninhas
Electroherb™: a alternativa não química de proteção de culturas
Eletrônica de potência avançada para o controle de ervas daninhas
Fornecendo ferramentas para um mundo livre de herbicidas
Eletrônica de potência avançada para o controle de ervas daninhas
Capina Elétrica para Pomares e Frutas
Em favor de uma agricultura livre de herbicidas.
Anterior
Próximo

Equipamentos são utilizados pela Universidade de Oregon, para testes de controle de ervas daninhas 

Pesquisador da Universidade de Oregon, em parceria com produtores locais de avelãs e mirtilos, estão testando a capina elétrica, tecnologia brasileira desenvolvida pelo Grupo Zasso, para controlar as ervas daninhas invasivas no meio ambiente.

Essa é uma tecnologia ainda pouco conhecida lá fora, mas que vem ganhando espaço. Agora também, nos Estados Unidos.

“Além de ser moderna e segura, nossa tecnologia é ecologicamente correta. Seguindo uma tendência mundial do agronegócio, métodos cada vez mais eficazes e com menor impacto ambiental devem ser implantados em fazendas de todo o mundo”, destaca o co-CEO da marca, Sérgio Coutinho.

Marcelo Moretti, pesquisador e professor de horticultura da Universidade de Oregon, foi quem iniciou os testes no mês passado, como parte de um projeto de três anos para avaliar a eficácia do controle elétrico de ervas daninhas.

“Suspeito que os produtores irão adotar isso como uma ferramenta adicional para o controle de ervas daninhas, especialmente para aquelas resistentes a herbicidas”, disse Moretti.

Para Moretti, é importante encontrar mais ferramentas não químicas para controlar ervas daninhas resistentes a herbicidas. As ervas daninhas tendem a ficar mais resistentes com tantos produtos químicos sendo aplicadas nelas, anos após anos. É como tomar antibiótico, se você tomar muitas vezes, cada vez você vai precisar aumentar a dose, e, nessa altura está o perigo, se tratando de herbicidas. Quando um campo de ervas daninhas é pulverizado ano após ano com um único herbicida, as plantas mais fracas morrem, mas algumas plantas naturalmente mais fortes sobrevivem, se reproduzem e passam seus traços resistentes para as próximas gerações.

Os testes começaram em dois pomares de avelãs, onde o azevém italiano resistente a herbicidas é um problema grave. Moretti também trabalhará com um cultivador de mirtilo para testar a eficácia do controle elétrico em ervas daninhas perenes, como a trepadeira, um membro da família ipomeia.

O equipamento utilizado é o modelo EH30 Thor. O sistema do Grupo Zasso gera uma corrente de alta tensão que é aplicada à planta por meio do contato com uma barra metálica. Conforme a alta voltagem passa pela planta em direção às raízes, a resistência elétrica gera calor, levando à ruptura da membrana celular e à morte da planta.

O professor acredita que a tecnologia será amplamente aplicável em árvores frutíferas e nozes, lúpulo, vinhas e outras culturas. Podem ser utilizados diversos tamanhos de unidades equipadas com tecnologia, como o modelo Electroherb, que manobra facilmente em colinas e em filas estreitas.

Durante os testes, a equipe de Moretti testará a eficácia do método em diversos tipos, densidades e idades de ervas daninhas, vários categorias de solo, em vários climas e com diferentes estresses.

Leia mais sobre este assunto acessando a matéria da Capital Press, Americana.

Compartilhe este conteúdo!

Área do Operador e Representante

Esta é uma área restrita para os parceiros da Zasso. Para saber mais, entre em contato.