Fornecendo ferramentas para um mundo livre de herbicidas
Eletrônica de potência avançada para o controle de ervas daninhas
Electroherb™: a alternativa não química de proteção de culturas
Eletrônica de potência avançada para o controle de ervas daninhas
Fornecendo ferramentas para um mundo livre de herbicidas
Eletrônica de potência avançada para o controle de ervas daninhas
Capina Elétrica para Pomares e Frutas
Em favor de uma agricultura livre de herbicidas.
Anterior
Próximo

Ervas daninhas: características, clima e solução

Em algumas semanas, o verão estará começando e isso significa temperaturas mais altas, chuvas frequentes e em maior intensidade. Ou seja, o ambiente perfeito para a germinação de grande parte de plantas e também ervas daninhas. Por isso, separamos algumas dicas de como você pode identificar/controlar o surgimento dessa planta que tanto incomoda, e como funciona o seu ciclo de vida.

Principais características das ervas daninhas:

Esse tipo de invasor tem maior crescimento através do contato com água, tem alta adaptação climática, curto intervalo entre a floração e germinação e também uma produção continua e em grande escala. Além de “roubar” todos os nutrientes, água e qualidade da plantação que está próximo às ervas daninhas.

Alguns tipos de ervas daninhas:

Dicotiledôneas: conhecida pelas suas folhas largas ou gramíneas, contam com um par de órgãos de armazenamento que após a germinação, tornam-se as próprias folhas.

Cyperus Rotundus: conhecida como tiririca, junça, ou barba de bode, a Cyperus Rotundus, é considera por muitos como a pior erva daninha do mundo, por sua resistência e dificuldade de controle.

Capin Amargoso: é uma das ervas daninhas mais encontradas por todo o território brasileiro, por germinar praticamente durante o ano todo e já apresentar forte resistência com herbicidas.

O clima é um grande aliado das ervas daninhas:

No inverno, muitas ervas daninhas encontram o momento certo para florescer, outras, são conhecidas como bianuais, já que germinam em uma estação e florescem em outra.

Mas podemos trazer o clima tropical brasileiro, como o mais ideal para surgimento das ervas daninhas, com estações secas e outras mais chuvosas, como o verão (que está próximo).

Como se preparar contra as ervas daninhas?

Muitas das ervas daninhas citadas e não citadas, neste conteúdo possuem resistência contra diversos herbicidas do mercado, que além de causarem grandes malefícios para o meio ambiente e a saúde do aplicador, pode não ser eficaz contra diversos tipos de ervas daninhas.

Mas você pode optar pelo IZI, a Capina Elétrica da Zasso que acaba com TODAS as ervas daninhas, sem o uso de uma gota de herbicida e age de forma imediata e definitiva. Faça uma escolha inteligente e sustentável. Clique aqui e saiba mais.

Ainda vale a pena utilizar herbicidas na agricultura?

No dia a dia do agricultor, uma das maiores dificuldades durante o plantio, é o aparecimento das ervas daninhas que disputam água, sais minerais e outros recursos naturais com a plantação e isso acaba trazendo prejuízos durante a colheita e também financeiros.

Diante desse problema presente no cotidianos de muitos agricultores, a solução mais utilizada, é o uso de herbicidas e pesticidas para acabar com as ervas daninhas e devolver vida ao plantio. Mas por outro lado, o uso dos herbicidas possuem grandes malefícios tanto para o agricultor, quanto para quem irá consumir o alimento que teve contato com o herbicida. 

O uso dos herbicidas:

Os herbicidas agrotóxicos podem parecer a única e mais acessível solução para matar as ervas daninhas, mas elas na verdade, representam um grande perigo para a saúde, causando principalmente câncer, além de irritações na pele, garganta e vias respiratórias.

Além disso, são grandes poluentes do ar, lençóis freáticos e contaminam o solo, principalmente se o herbicida for aplicado antes de uma chuva, já que a água irá carregar toda a química para outras áreas, matando animais terrestres e todo um habitat aquático.

E mesmo com todo essa “força química” presente nos herbicidas, muitas ervas daninhas se mostram resistentes aos produtos, resultando em uma dependência a longo prazo, maiores gastos e mais poluição para o meio-ambiente. 

A agricultura familiar está se transformando:

Cada vez mais o mercado está se preocupando com alimentos que possuíram algum tipo de contato com os herbicidas e os seus riscos para a saúde, optando por alimentos que foram produzidos por uma agricultura orgânica e sustentável. Ou seja, além de demorar até 24 horas para fazer efeito, não oferecer um resultado garantido, com o herbicidas agrotóxicos o agricultor ainda pode perder consumidores que optam por uma alimentação orgânica.

Atualmente utilizar herbicidas é apenas uma opção, já que com uma capina elétrica, o agricultor acaba com as ervas daninhas de forma instantânea, segura e sustentável em mais de 90% da área aplicada.

A Zasso é uma empresa que desenvolve equipamentos de capina elétrica através da tecnologia Electroherb, que acabam com as ervas daninhas com eficácia, produtividade e confiança. Tenha mais sustentabilidade no campo com a Zasso.

Encontre o representante mais próximo aqui ou entre em contato com o nosso departamento Comercial através do e-mail: contato@zasso.com para saber mais sobre a tecnologia. 

Tipos de Capina e porque escolher a Capina Elétrica

O que pode parecer uma prática simples e milenar, denota de muito mais sofisticação do que muitos imaginam. A capina tem variados tipos e diferentes métodos, os quais vamos discutir e comparar com a Capina Elétrica. É importante considerar o melhor método de capina para cada área por diversos fatores, por exemplo: se afeta a qualidade do solo, os micro-organismos, cultivos, mananciais, saúde de quem faz a capina e da população ao redor, impactos ambientais, leis e restrições de órgãos responsáveis, entre outros.

A capina é conhecida como o ato de capinar, que os dicionários nos explicam como “Limpar o terreno do capim ou de qualquer erva daninha.” ou pela expressão carpir, que detona em sofrimento e lamuria. Esse sentindo dolorido vem do Latim CARPERE, que significa “colher” ou “arrancar”, usado como “arrancar fios de cabelo ou barba em sinal de dor”, trazendo consigo esse sentimento de pesar. Carpir não era uma tarefa fácil, exigia muito esforço físico, era uma tarefa penosa e dolorida, digna de tal lamuria.

Atualmente mantém apenas o sentido de “livrar de mato, capinar”, até porque com os avanços tecnológicos essa prática não precisa ser penosa e difícil. Conheça alguns tipos de capina e compare com a Capina Elétrica.

Capina Manual é a forma mais antiga de capinar, consiste em arrancar as plantas com as mãos ou com auxílio de enxada e outros instrumentos manuais.

Capina com arado é comum na agricultura, o arado é um instrumento que revolve a terra e com ela mato invasor. Pode ser feita com arado manual, com tração animal ou mecânica.

Capina mecânica (ou mecanizada) são técnicas de capina que usam equipamentos mecânicos, tratores e outras máquinas. Normalmente são equipamentos que reviram a terra por onde passam.

Capina química é a técnica que consiste em eliminar plantas invasoras por meio de agentes químicos, herbicidas são pulverizados sobre as plantas indesejadas. É a técnica que gera mais debates, já que o uso de algumas substancias pode ser prejudicial à saúde e ao Meio Ambiente. A Anvisa já restringe essa técnica nos municípios brasileiros* e muitos grupos discutem esse uso também na agricultura.

A Capina Elétrica é uma alternativa que consiste em matar mato invasor por meio de descargas elétricas controladas aplicadas diretamente nas plantas indesejadas. É uma tecnologia brasileira que usa eletrônica de alta potência para controle de mato, as descargas elétricas atingem as folhas e percorrem a planta até suas raízes, assim as eliminando por completo. Elimina plantas resistentes aos herbicidas, como a buva.

A nossa tecnologia de Capina Elétrica é totalmente livre de herbicidas, muito mais delicada com o solo do que outros métodos e totalmente mecanizada, ou seja, o operador faz tudo dentro do caminhão ou trator.

Oferecemos também uma opção manual, nosso equipamento portátil IZI, que com a mesma tecnologia mata o mato de maneira focada com poucos segundos de aplicação e quase nenhum esforço de quem opera.

É a melhor alternativa também para quem busca soluções em cultivos orgânicos, já que livre de herbicidas e agentes químicos as certificações nacionais e internacionais podem ser emitidas aos produtores que usam nossos equipamentos. Além disso, ser livres de herbicidas é essencial para usos urbanos, já que a Anvisa restringe o controle químico de mato em todos os municípios brasileiros. Oferecemos a Capina Elétrica Urbana para esse controle em guias, sarjetas e calçadas.

A Capina Elétrica é uma alternativa sustentável, não poluente e não agressiva à saúde. Mantem a qualidade do solo e seus micro-organismos. Para mais informações sobre a Capina Elétrica Zasso Brasil entre em contato conosco clicando aqui.

Área do Operador e Representante

Esta é uma área restrita para os parceiros da Zasso. Para saber mais, entre em contato.